Francis Olivia 05
A estilosa e mega gente boa Francis Olivia, do oliviafigueiredo.com

Sabe quando você vê uma pessoa e o “Santo bate” logo de cara? Foi assim que aconteceu quando eu conversei pela primeira vez com a Francis Olivia Figueiredo. Eu a conheci ano passado e, de lá para cá, eu só tenho coisas boas para dizer. À primeira vista, fiquei encantada por ela ser mega estilosa e antenada, depois descobri a simplicidade, simpatia e a inteligência desta matogrossense.

Com sorriso marcante e sempre estampado no rosto, a Francis é aquele tipo de pessoa feliz, sabe? De bem com a vida. Ela é falante, mas ao mesmo tempo, ouvinte. Ou seja, gosta de conversar, sem monopolizar o diálogo, fazendo com que, de fato, seja uma troca.

Se as experiências que temos na vida, ajudam a moldarmos quem nós somos hoje, pode-se dizer que, a fôrma de Olivia é o mundo, que a transformou em uma pessoa plural. Esta qualidade pode ser vista (e lida) no blog oliviafigueiredo.com, no qual ela mostra, com muita personalidade, que ter estilo é muito mais do que vestir-se bem.

Conheça um pouco as histórias dessa cuiabana e sua paixão por bloggar!

Francis Olivia 02
Sempre de olho nas tendências: blazer estilo capa, simples e elegante!

Raphaela: Conta um pouco da sua história e como veio parar aqui em Boa Vista?

Olivia: Nasci e cresci em Cuiabá, no Mato Grosso. Quando terminei minha faculdade, fui me especializar no Rio e me mudei pra São Paulo. Vivia na ponte aérea e, depois, mudei para o Rio e depois para Santos, litoral de São Paulo. Trabalhei algum tempo no terceiro setor e como era um trabalho flexível, em 2011, comecei a me dividir entre São Paulo e Roraima, com o intuito de ajudar meu pai nos negócios que ele tem na região Norte. Hoje, administro meu tempo e vida entre Boa Vista e São Paulo, apesar de estar diminuindo o ritmo e o trabalho em São Paulo.

Raphaela: Blogs, de modo geral, devem mostrar a personalidade do dono. Mas, hoje em dia, os blogs, principalmente, de moda, costumam fugir desta regra e muitos acabam sendo iguais. O seu blog vai na contramão dos modismos e imprime uma linguagem própria. Como e quando você começou com o blog?

Fran: Blogar, hoje em dia, é um negócio. Muitas pessoas não veem mais propósito em escrever um blog, se não for para ganhar dinheiro, até mesmo porque é muito trabalhoso manter um canal de comunicação como esse. Por isso que, aos nossos olhos, eles se parecem todos iguais, afinal de contas estão todos vendendo alguma coisa, uma roupa, um comportamento, um objeto, um estilo de vida. O OliviaFigueiredo.com.br nasceu em 2013, porque eu planejava abrir um negócio e um dos pré-requisitos para alavancá-lo era analisar minha forma de comunicação e interação com a moda. Criei o blog com essa proposta de “encantar” um grupo de investidores para o meu negócio, mas, no meio do caminho, eu mudei de ideia e o blog continuou. Vou confessar aqui que eu tenho blog desde 2007 (aliás, blogs no plural rsrsrs.…, antes de ter blog, em 2004 comecei um fotolog – sim, já sou velha hahaha) e minhas fotos sempre vinham acompanhadas de textos enormes, era praticamente um diário. Depois, tive outros canais como myspace até chegar no blog. Desde sempre eu gostei de blogar, algumas épocas mais, outras menos. Essa coisa de eu não só mostrar a moda, mas de opinar faz parte de quem eu sou. Não aprendi ainda a dividir a Francis que gosta de moda da Francis que é educadora ambiental, fotógrafa, mergulhadora, administradora, mochileira, economista, corredora, voluntária, investidora do mercado financeiro, cristã, aventureira, jardineira e etc etc etc…sou tudo ao mesmo tempo. Quando você é uma pessoa multifacetada, com uns 3 ou 4 lados, isso é até mais fácil de diluir, mas quando você ao longo da vida vai se transformando em mil pessoas ao mesmo tempo isso é muito difícil de dissolver e, ao mesmo tempo, muito legal pois é isso que me torna única, nem melhor nem pior que ninguém, simplesmente única. Tem gente que fica confusa comigo, porque eu sou aquela que as vezes paga um dinheirão por um restaurante, mas fico em albergue, que veste Hermés junto com 25 de Março! Que vai de amanhã no Saara e ao sair de lá, dá uma passadinha na Chanel no shopping de chinelo de dedo mesmo e não se envergonha disso. Ufa! Acho que fugi da pergunta né? Essa sou eu, nada sucinta e muito sincera rsrsrsrs.

Francis Olivia 01
Eu ameei esse look! Super na moda e confortável! Quem disse que tênis não combina com saia? Visual despojado para trabalhar! 😉

Raphaela: E como surgiu a ideia dos beijos perfumados, pensativos (isso já virou uma marca, né?)

Fran: Os beijos perfumados surgiram em 2008 quando eu trabalhava em uma ONG e tinha uma amiga que achava que só dizer abraço era pouco, tinha que expressar muito mais…quando jovens temos essa ânsia de desejar, expressar profundo e assim começamos a enviar por mensagens abraços perfumados de jasmim, orquídea, flor de laranjeira…Conforme nosso humor, o abraço “saia” na mensagem…daí, depois do abraço foi evoluindo pro beijo (uma outra amiga mandava beijos ensolarados para todos) e assim comecei. Legal é quando a pessoa retorna com o beijo personalizado dela. Teve uma amiga que me respondeu assim: beijos encantados com seus beijos hahahaha! tem várias histórias! Legal ver os beijos encantando as pessoas! Expressar profundo é uma necessidade de todos.

Raphaela: Você, como eu, ama viajar. Quantos países você conhece e qual deles você voltaria várias vezes? Tem alguma história que te marcou em algum lugar que visitou ?

Fran: Posso dizer os que ainda falta conhecer?!? rsrsr..brincadeira! Mas, eu já dei 2 voltas ao mundo. Na primeira fui pelo Chile e morei na Austrália e de lá viajei para outros países próximos, como as Filipinas, Nova Zelândia, Fiji…completei a viagem 1 ano depois, voltando pelo continente Africano. Na segunda volta ao mundo, fui em direção aos Estados Unidos, Japão, Ásia e voltei pela Europa, conheci 14 países novos. Além dessa viagem, houveram as viagens independentes que fiz ao longo da vida (Ásia, Europa, América do Sul, Caribe). Porém, o que mais me fascina nesse mundo é a capacidade que ele tem de se reinventar e te deixar mais rico. Quanto mais você viaja, mais lugares incríveis você descobre que “TEM QUE CONHECER” e mais rico você fica. Pode parecer clichê, mas viver essa verdade é libertador, você se sente tão pequeno, tão insignificante e isso é uma coisa grandiosa na vida de um ser humano. Ser um “Nada” é maravilhosooo!!!!
Vários lugares eu voltaria, mas a Austrália tem um lugar especial no meu coração por tudo que vivi lá, aliás, eu poderia contar milhares de histórias que me marcaram e fazem minha trajetória mais interessante, mas as que eu mais gosto de contar são aquelas que envolvem encontros. Conectar-se com as pessoas é uma dádiva, as trocas são incríveis! Existe uma satisfação em conhecer pessoas que realmente transforma nosso mundo, transforma a pessoa que somos. Lembro que passei 1 mês viajando numa van pelo deserto da Austrália com mais 10 pessoas e uma guia, aventura mesmooo…sem hotel, sem mordomia nenhuma, em barracas e, às vezes, só saco de dormir, calor dilacerante de dia e frio congelante à noite, com água potável controlada, 10 pessoas completamente diferentes, de culturas e gostos diferentes, no vigésimo dia uma mulher teve hipoglicemia no meio do Grand Cânion na Austrália, tivemos que carregar ela, que pesava uns 90kg, ela saiu de lá de helicóptero médico…todos nosso limites foram colocados à prova foi um verdadeiro Big Brother, rolou várias tretas…mas foi incrível! Faria tudo de novo. Porém, eu só me dei conta de quão incrível foi essa vivência quando 6 meses depois, eu encontrei um senhor francês, que era praticante de alpinismo livre( ele escalava montanhas e prédios sem equipamento) no aeroporto em Joanesburgo na África do Sul, foi inexplicável a sensação de ver ele, fiquei tão feliz de vê-lo, feliz com aquela coincidência tão improvável, durante a viagem pelo deserto ele tinha me dito que essa era última vez que eu veria ele, porque o que ele fazia era muita arriscado e ele iria morrer cedo, ele sabia disso, mas não deixava a paixão de lado. Naquele momento, compreendi a profundidade da vivência, o valor que um ser humano tem, mesmo quando ele é diferente de você. ELE AINDA ESTAVA VIVO e escalando! Teve uma outra história também que preciso contar (ihihihih): Lembro que eu, adolescente, odiava os EUA com sua política neoliberal e toda aquela história de ser uma nação opressora, patrocinadora de guerra e etc…Tirei meu visto americano com 13 anos por pressão de meus pais, eternos apaixonados pela América, e nunca pisei lá. Com 21 anos, conheci um casal de americanos, na verdade, ele era americano e ela espanhola, na época eu estava viajando com um namorado holandês pelas ilhas Fiji e por pura afinidade ficamos amigos, inseparáveis. O tempo que passei com eles mudou completamente minha visão dos americanos, não sei te explicar, mas eles me mostraram um lado humanizado do povo americano, me mostraram que para tudo nesse mundo tem gente do bem e gente que não sabe que fazer bem faz bem hehehe. Foi incrível….passamos 2 semanas maravilhosas, regadas a muito Kava e bem viver. Depois de um tempão, por puro acaso do destino, acabei encontrando com eles na Austrália, no mesmo hostel (que tinha uns mil quartos, cada um com 20 camas, mas mesmo assim, ficamos na beliche ao lado do outro). Eu estava indo embora e eles ficariam só uma noite e mesmo assim o destino nos uniu de novo. Foi tão inacreditável esse encontro que comemoramos a noite toda! Foi um marco pra mim, porque nós não mantivemos contato, mas trocamos e compartilhamos fotos, histórias, vivências, experiências…. Foi simples e incrível ao mesmo tempo, marcaram de verdade a minha vida. Voltei da viagem louca pra conhecer a América, com 1 mês para expirar meu visto americano de 10 anos, com 23 anos, peguei um voo e fui sozinha para Nova Iorque….sou louca pela Big Apple até hoje.

Francis Olivia 06
Aqui ela combinou bota Over the knee, com uma saia com estampa geométrica e uma blusa preta com uma figura amarela. Resultado? Look arrasador!!! 😛

RaphaelaVocê ama fotografia e você me contou uma vez que você mesmo fotografa os seus looks ( que por sinal, são maravilhosos!). Como surgiu o seu interesse em fotografar? Dá uma dica para o pessoal tirar fotos de looks?

Fran: Acho que nasci fotógrafa, tenho isso em mim desde nascença. Mas se é para colocar um marco de início, foi aos 10 anos, quando meu pai trouxe uma máquina Nikon dos EUA, de filme ainda e eu me apaixonei naquela engenhoca. Meu pai não conseguiu mexer e deixou de lado, enquanto eu não deixei ela até descobrir todos os segredos de como ela funcionava. Depois disso, não parei mais de fotografar, levava a máquina pra todo lugar, todo dia no colégio era dia de foto hahahaha . Tem amigo meu de infância que diz que eu tenho mais fotos deles do que as mães deles.
Desde sempre viajei sozinha, com 3 anos de idade minha mãe me colocou em um avião SOZINHA, na verdade, ela pediu para um estranho na fila do check-in em Belo Horizonte me levar até Cuiabá, nessa época, a VARIG só se responsabilizava por crianças acima de 5 anos, loucura né?!?…Tbm acho! Hahaha mas foram essas asas que minha mãe me deu nesse dia que me levaram a lugares que ninguém da minha família nunca esteve e talvez nunca estará. Viajando sozinha, você aprende a se virar para tirar fotos de você mesma, foi assim que fiquei boa em tirar fotos de mim mesma. Daí, para tirar fotos de looks, foi moleza! Depois que o timer vira seu BFF das viagens, você não fica sem registrar nenhum lugar que esteve hehehe.
A melhor dica pra tirar foto de você é você descobrir o jeito que você gosta de sair nas fotos, o ângulo, a pose, o lado que te deixa melhor(treino, treino, treino…hoje com as fotos digitais que vc pode apagar depois ficou fácil). E isso vale pra todo mundo até para as pessoas “lindamente perfeitas”, quando o assunto é foto, se você não souber como “sair na foto” até a Gisele fica feia. Juro! Descobri isso com meu marido, ele tem esse jeitão de galã de novela, lindo de morrer, corpo escultural, perfeito mesmo, mas ele saía HORROROSO nas fotos, nem parecia que era ele, daí fui pentelhando ele, mostrando como ele deveria se portar para a foto e hoje ele aprendeu, sai gatão nas fotos…para delírio geral hahahaha.

RaphaelaFalando de moda, você costuma misturar peças High e Low. Muitas vezes, utiliza peças marcantes (um brinco, uma estampa, ou uma bolsa) com algo mais discreto. Qual o segredo para a pessoa vestir-se bem? É ter equilíbrio?

Fran: Não tem como fugir da máxima que se vestir é um ato social. Nos seres humanos, nós vestimos para demonstrar quem somos, ou onde estamos inseridos, ou ainda como forma de protesto ou posicionamento. E isso vale até para as pessoas que escolhem um trapo para sair de casa, existe sim um posicionamento até mesmo no trapo, acredite. Por essas e outras que eu acredito que não existe essa coisa de se vestir bem, existe sim o que você está transmitindo, você está se vestindo pelo que você é ou para mostrar onde você está inserido? É tudo uma escolha. Se você está se vestindo pelo que você é, consequentemente, você estará bem vestida. Se você está se vestindo porque você está inserido em uma sociedade e isso define quem você é, consequentemente, você estará bem vestida. Agora, se você está se vestindo para agradar uma pessoa ou porque está inserida em uma sociedade mas isso não define quem você é, consequentemente, você estará mal vestida. E a questão do equilíbrio serve para tudo na vida, uma pessoa equilibrada transparece isso na presença, vive de forma equilibrada, se veste de forma equilibrada, se alimenta de forma equilibrada, se relaciona de forma equilibrada, enfim, a vida é equilibrada e isso fascina as pessoas ao redor, no fundo está todo mundo buscando o equilíbrio, quem já encontrou já está um pouco na frente, quem ainda não encontrou está buscando, mesmo sem saber.

Francis Olivia 03
Look maravilhoso, composto por calça flare, camiseta estampada e maxicolar poderoso. Destaque para a bolsa amarela, que dá um toque todo especial na composição!!

RaphaelaQual o segredo na hora de comprar peças para o guarda-roupa? Quais as peças indispensáveis?

Fran: O segredo é comprar aquilo que você goste e vai te fazer feliz. E SÓ! Eu ainda me pego comprando coisas da moda que não gostei muiiiito, só gostei um pouquinho e depois de um tempo acabo mesmo não achando tão legal, porque a moda passa, né? Confesso que eu me acho um pouco consumista (nada que prejudique meu orçamento, nem me deixe louca a ponto de quebrar o cartão de crédito) mas estou buscando consumir menos, acredito numa filosofia de vida em que não precisamos de muito para viver, mas ainda me pego comprando e comprando coisas. Peças indispensáveis são aquelas que caem bem em você e que você ame. Eu detesto calça jeans, porque eu acho que não me cai bem, não gosto de usar, calça jeans em lugares quentes, como Cuiabá e Boa Vista parecem “cozinhar” seus países baixos. Enfim, eu até tenho calça jeans, mas tenho uma ou outra, a maioria das minhas peças de baixo são saias coloridas. Uma personal stylist diria que meu guarda-roupa é horrível, mas eu uso muiiiito, amo saias, vestidões….nada lá fica perdido ou parado por ser colorido e nada básico.

balihoneymoon-panoramica-30
Em Bali, na Indonésia.

Raphaela: Você é defensora da natureza e ativista. Faz parte de uma Ong, né? Fala um pouco pra gente.

Fran: Sou defensora do ser humano, pela natureza eu tenho profundo respeito e admiração. A natureza tem uma capacidade incrível de regeneração, ela tem uma força incrível, a natureza se submete a autoridade do Seu Criador, que é Deus, e Deus honra essa submissão. Nós não temos que temer pela natureza, temos que temer a extinção humana, o homem é o câncer do mundo, e o planeta cedo ou tarde irá se virar contra o homem para “expulsar” o câncer do seu corpo e depois continuará aqui linda e bela. Então, minha luta é por mostrar para as pessoas como estamos em risco, como precisamos voltar a nos conectar com a natureza e admirar e respeitar esse mundão que nos foi dado de presente. Nós precisamos parar de pensar que nós “usamos” o planeta. Nós não temos que “usar” o planeta, nós precisamos aprender a “compartilhar” o planeta e garantir que um futuro sadio e cheio de beleza estará aqui para quem vier depois de nós.

Raphaela:Eu li que foi o desejo de preservar a natureza que uniu você e o seu marido. Achei muito legal a história de vocês. Compartilha com a gente?

Fran: Nos conhecemos em um protesto em prol dos manguezais, em Brasília. A ONG que eu era presidente organizou a viagem que saiu do litoral de São Paulo. O Robson tinha uma escola de surf para crianças carentes e eles resolveram ir. Foi durante essa viagem de ônibus e os dias lá que nos apaixonamos, ficamos e começou nossa história.

ywsite-21
Casamento da Francis aconteceu na praia!! <3

RaphaelaEu conheço você pouco, mas pude perceber que você tem uma vibe positiva e sempre está com um sorriso no rosto. Qual é o seu segredo para manter a serenidade?

Fran: Serenidade surge de um processo de satisfação consigo mesmo, o que muita gente chama de sucesso. Quando você consegue lidar com calma em situações de crise e conflito dizem que você é uma pessoa serena. Por isso, sempre achei que serenidade fosse característica de gente que já conquistou o que queria, já alcançou o sucesso, já descobriu o segredo, enfim que já chegou “lá”. Mas, fui descobrindo que o sucesso é relativo, sucesso não é ter dinheiro, poder e fama. Sucesso é você querer montar uma loja para vender suco de laranja e conseguir montar uma coisa bacana que te dará satisfação e prazer sem trazer prejuízo. E no dia que você acordar com vontade de catar pedra no himalaia, conseguir fechar a loja de laranjas e ir. Escuto muito as pessoas dizerem: “- há! Mas para você é fácil dizer isso, você sempre teve tudo”. Mas no fundo isso para mim é atitude(e fala) de alguém que vive transferindo suas culpas para os outros. Conheci gente de tudo quanto é jeito, tinha gente que possuía muito mais do que eu tinha e não fez nada da vida, ou melhor, fez e jogou tudo em drogas, sexo e rock’n roll e aqueles que tinham um sonho e o fator dinheiro nunca foi um empecilho, porque o sonho era maior que o conflito, as perturbações, as barreiras. Lembro de um garoto que conheci no programa Guerreiro Sem Armas, o sucesso para ele era chegar em um país remoto da África, mas para chegar lá o caminho foi longo, mas a convicção dele era tão grande que ele antes de chegar lá já era liderança de jovens dentro da ONU, ele nem sonhou com aquilo, mas foi conquistando sozinho, ele era sereno, sabia o que queria, onde queria e procurou formas de como fazer acontecer apesar dos pesares, uma lindeza a história dele. Lógico que terá um monte de gente que irá te chamar de louco, seus pais provavelmente irão ter vergonha de você, mas desde que você não dê dor de cabeça para eles, nem transfira suas responsabilidades para eles, está tudo certo, eles vão ficar triste, mas a expectativa era deles e não sua. Quando algo dá errado na sua vida e você consegue dizer: isso deu errado porque eu tracei o caminho errado dai você fica em paz e vai tentar se refazer. Quando a gente transfere a culpa de nossos erros para o outro a gente fica atolado naquilo, não se liberta, não vai pra frente e tudo vira um ciclo, quando você vê está cometendo o mesmo erro de novo e culpando outras pessoas e no final o que sobra é uma pessoa frustada, e frustração e o oposto de serenidade. Uma pessoa frustada não sabe exercer a serenidade quando precisa. Serenidade é isso, ser sincero com você mesmo, ser responsável e autor da sua vida. Tem gente que leva uma vida toda pra descobrir isso mas quando a gente alcança isso com 20 poucos anos é um privilégio.

Francis Olivia 04
Linda composição para o trabalho! Saia midi com transparência, top cropped e scarpin. Look tom sobre tom!

Raphaela: Já sabemos que você gosta de viajar, moda e fotografia. Quais os seus outros hobbies?

Fran: Gosto muito de ler, muito mesmo (meu marido chama a Livraria Saraiva de Livraria SóRaiva hihihi) deixo grande parte de minhas economias em livrarias e sebos. Tenho paixão por mergulho, tenho hábito de fazer viagens de 10 ou 15 dias só pra mergulhar de 3 a 4 mergulhos por dia, nasci longe do mar, mas ele é uma grande paixão, o mundo do silêncio é minha segunda casa, me sinto plena lá. Jardinagem também é outra paixão, amo mexer com a terra, plantas, amo vê-las nascer, colocar amor na semente e depois me alimentar disso. Aliás gosto de cuidar do ciclo todo, de pegar os restos de comida, colocar em uma composteira, ver as minhocas transformarem aquilo tudo em terra, depois pegar a terra e plantar e ver geminar e depois comer e recolor os restos na composteira e começar tudo de novo. É mágico isso, acho tão lindo hahahaha.

1168865_949151045152003_2006294643_n
Você pode segui-la no instagram! É só buscar @francisoliviacampos

 

Gostou? Deixe seu comentário

Comentários

3 Comentários em Conheça a blogueira Francis Olivia, do oliviafigueiredo.com

  1. Francis Olivia Campos
    15 de janeiro de 2016 at 19:46

    Rapha lindona! Já te falei, mas quero deixar aqui registrado tbm que amei a entrevista. Gratidão pelo carinho e convite. Gratidão ainda mais pela experiencia, quando temos a oportunidade de falar e escrever sobre nós mesmo ganhamos a chance de parar e olhar para dentro, isso é rejuvenescedor. Você tem muito talento, não desista pois vai longe. You Rock’s Girl 😉 Beijos encantados. Olivia

    • Raphaela Queiroz
      18 de janeiro de 2016 at 15:50

      Own.. Que coisa mais linda!!Eu que tenho que agradecer a você por ter topado participar da entrevista e compartilhar conosco a sua história. Obrigada pelo carinho e pela força! Agradeço pelo apoio de não me fazer desistir! Fico muito feliz por você ter gostado da entrevista! De verdade! Gosto muito de você! E adorei de te conhecer! Bjos carinhosos e um abraço apertado!!!Que Deus te abençoe!

  2. cleonice Azededo Deleclode
    26 de fevereiro de 2016 at 20:57

    Olá Francis te admiro, você é muito dezzzzzzzzzz……. abraços Cleo!!!